Stablecoin lastreada em Reais, BRZ é a 5 criptomoeda mais negociada no Brasil superando o Ethereum, USDT lidera

Segundo dados reportados pelas exchanges nacionais e internacionais a Receita Federal do Brasil a stablecoin lastreada em Reais, BRZ é uma das 5 criptomoedas mais negociadas no Brasil. Os dados da Receita Federal foram compartilhados com o Cointelegraph e são referentes a agosto de 2019 e fevereiro de 2020.

De acordo com os dados, foram negociados cerca de R$ 508.879.190,27 em BRZ no período e deixando o token, em número de negociações, acima da segunda principal criptomoeda do mercado, o Ethereum. Contudo a stablecoin mais negociada no Brasil é o USDT com R$ 4.004.202.285,72 em negociações no mesmo período. O USDT é a terceira criptomoeda mais negociada no Brasil ficando atrás de Bitcoin e Ripple.

Contudo os dados reportados a Receita Federal, embora oficiais, podem não estar corretos já que as informações são encaminhadas a RFB pelas empresas e não há uma ‘fiscalização’ ou ‘auditoria’ para atestar a credibilidade dos dados informados, tanto que uma pequena análise na planilha divulgada pela Receita exibe criptomoedas que não existem como a “BWA”, em referência a suposta pirâmide financeira de Santos.

stablecoin supostamente lastreada em Reais, BRZ é desenvolvida pela startup Transfero Swiss e teria recebido um prêmio, no início do ano, de principal stablecoin de um país emergente concedido pelo Miami Blockchain Center. A experiência com BRZ também esteve presente no Fórum Econômico Mundial, em Davos, em 2020 quando o CEO da Transfero, Thiago Cesar participou de um painel sobre criptomoedas no CV Summit e apresentou a stablecoin sob a perspectiva de uma criptomoeda de um país emergente.

“O BRZ está avançando porque há casos de usos reais para ele, seja para empresas e indivíduos no Brasil acessarem o mercado de criptomoedas internacional de forma mais ágil, seja para internacionalizar o real brasileiro, diante da baixa liquidez internacional da moeda fiduciária local”, afirma Cesar.

O BRZ não é a unica stablecoin supostamente lastreada em Reais no Brasil, como noticiou o Cointelegraph, o ex-dono da exchange brasileira Mercado Bitcoin, Rodrigo Batista, anunciou a criação pela nToken de uma stablecoin lastreada em reais, que funcionará tanto na rede Ethereum quando na Stellar.

Outras empresas também já lançaram stablecoins lastreadas em reais, como a Stratum, com a RAS. Também há o RealT, construído em Ethereum, o FBRLT, com Waves e o BRLT também feito em Ethereum.

Como mostrou o Cointelegraph, no período citado, agosto de 2019 a fevereiro de 2020, as exchanges reportaram para a Receita Federal um total de R$ 99.753.543.138 em movimentações com criptomoedas. Somente em agosto de 2019, nas exchanges nacionais, foram negociados, R$ 43.076.237.804,06.

Artigo

Leave a Comment

  • bitcoinBitcoin (BTC) $ 13,382.51
  • ethereumEthereum (ETH) $ 383.97
  • tetherTether (USDT) $ 0.999373
  • rippleXRP (XRP) $ 0.242003
  • bitcoin-cashBitcoin Cash (BCH) $ 265.48
  • binancecoinBinance Coin (BNB) $ 29.78
  • chainlinkChainlink (LINK) $ 11.23
  • polkadotPolkadot (DOT) $ 4.03
  • litecoinLitecoin (LTC) $ 54.56
  • bitcoin-cash-svBitcoin SV (BSV) $ 165.72