Relatório da OCDE encontra US$ 11 trilhões em paraísos fiscais

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) informou na terça-feira, 30 de junho, como os relatórios automáticos em 2019 ajudaram a descobrir US$ 11 trilhões em ativos em contas no exterior.

O resultado foi quando o Common Reporting Standard (CRS), registrou em seu terceiro ano de operação desde o seu lançamento em 2017.

Ao contrário de muitas iterações anteriores dos padrões internacionais de relatórios fiscais, o CRS exige que os países relatem automaticamente atividades em contas mantidas por cidadãos estrangeiros em seus respectivos países de origem. Isso resolve problemas decorrentes do compartilhamento de informações com base em solicitações, o que exigia suspeitas e investigações ativas do país de origem.

Isso é apoiado por mais de 100 países em todo o mundo, que buscam reduzir a sonegação de impostos permitida por contas bancárias no exterior e arbitragem regulatória. Notavelmente, o padrão foi adotado em 2017 por destinos offshore populares como as Ilhas Cayman, Seychelles e muitos outros.

Desde a introdução do CRS em 2017, a quantidade de ativos sob escrutínio aumentou quase dez vezes, de US$ 1,2 trilhão. A OCDE explicou que o crescimento é amplamente atribuído a mais países que aderem ao sistema, além de um escopo mais amplo de informações relatadas.

OECD report

Fonte: Relatório OCDE

A organização também descobriu em novembro de 2019 que entre 2008 e 2019, os depósitos em contas de propriedade estrangeira diminuíram 24%, ou US$ 410 bilhões.

Criptomoedas

A natureza anônima e descentralizada da criptomoeda pode ser útil para preencher o vazio deixado pelos bancos offshore tradicionais.

É por isso que as agências tributárias em todo o mundo estão começando a reprimir possíveis rotas de evasão usando criptomoeda, com o IRS dos EUA incluindo perguntas específicas relacionadas a ativos digitais em um rascunho de declaração de imposto de 2019.

Da mesma forma, a agência tributária do Reino Unido iniciou os preparativos, pois sinalizou intenções de usar o software de rastreamento de blockchain em janeiro de 2020.

Como demonstrado com bastante frequência, blockchains genéricos como Bitcoin e Ethereum não são anônimas e podem ser rastreadas facilmente. Mas mesmo a transparência relativa da blockchain ainda devolve as autoridades aos métodos de investigação pré-CRS, que exigem suspeitas ativas.

Embora as soluções de privacidade possam dificultar exponencialmente rastrear as criptomoedas, sua volatilidade as torna uma venda difícil como reserva prática de ativos de valor – legais ou não.

As stablecoins podem corrigir os problemas de volatilidade, mas iterações centralizadas como Tether e USDC possuem mecanismos de congelamento embutidos que podem ser usados ​​para fins de compliance. As stablecoins descentralizadas, por outro lado, apresentam riscos técnicos desconhecidos.

As criptomoedas podem interferir no setor bancário offshore, mas a adoção em massa pode ainda não estar lá.

Leia mais:

Artigo

Leave a Comment

  • bitcoinBitcoin (BTC) $ 11,862.94
  • ethereumEthereum (ETH) $ 395.21
  • rippleXRP (XRP) $ 0.294189
  • tetherTether (USDT) $ 1.00
  • bitcoin-cashBitcoin Cash (BCH) $ 302.09
  • chainlinkChainLink (LINK) $ 13.38
  • cardanoCardano (ADA) $ 0.143306
  • bitcoin-cash-svBitcoin SV (BSV) $ 224.19
  • litecoinLitecoin (LTC) $ 58.21
  • binancecoinBinance Coin (BNB) $ 22.57