Queda da taxa de hash do Bitcoin: mineradores, halving e coronavírus são suspeitos

A taxa de hash da rede Bitcoin (BTC) deu um mergulho acentuado em 26 de março, caindo 15,95%, o que representa uma queda de 45% em relação ao pico de 2020. A taxa de hash caiu de 136,2 quintilhões de hashes por segundo em 1º de março para apenas 75,7 EH / s em 26 de março, de acordo com dados do Blockchain.com.

O site de análise Coin Dance relatou resultados semelhantes, com o pico de 2020 atingindo cerca de 150 EH / s em 5 de março e caindo para 105,6 EH / s 10 dias depois, mostrando uma redução de 29%.

Os efeitos combinados da redução da taxa de hash e a consequente saída de mineradoras do mercado resultaram em um dos maiores golpes na rede Bitcoin desde 2011. O impacto negativo é difícil de avaliar completamente neste momento. No entanto, as razões para a queda são discutíveis e estão sendo atribuídas a vários fatores – desde o próximo halving do BTC e a pandemia de coronavírus, até uma recessão mundial, levando as mineradoras a deixar o mercado.

Por que isso está acontecendo?

A taxa de hash da rede Bitcoin é projetada de forma que ajusta a dificuldade computacional do processo de mineração após cada 2.016 blocos – o que acontece a cada duas semanas. A correlação é diretamente proporcional: se a taxa de hash aumenta, o mesmo ocorre com a dificuldade computacional e vice-versa. A medida fornecida foi projetada para aumentar o desafio dos blocos de mineração, tornando o processo mais gratificante.

A queda de 15,5% impactou diretamente a queda na dificuldade de mineração de uma medição de 16,5 trilhões para 13,9 trilhões em 26 de março, o que significa que um grande número de mineradores se desconectou da cadeia. Essa mudança de eventos era esperada após os turbulentos eventos do mês passado, que viram o Bitcoin cair para US$ 3.600, mostrando um declínio de 60%. Como resultado, muitos mineradores supostamente acharam inútil manter a mineração e a operação do equipamento, que consome muita eletricidade.

Os mineradores estão realmente saindo do mercado?

As taxas de hash e a dificuldade de mineração estão diretamente correlacionadas e historicamente têm sido as pioneiras no chamado “ciclo de capitulação de mineradores“, o que significa que a mineração é lucrativa enquanto o preço do BTC permanecer alto. À medida que a dificuldade de computação aumenta, os mineradores com equipamentos de baixa potência são forçados a vender seus ativos para manter a mineração, o que leva a um aumento na oferta de Bitcoin. Quando os mineradores não conseguem competir, eles deixam o mercado, e isso leva a uma diminuição na taxa de hash.

Walter Salama, diretor de compliance da empresa de mineração Bitpatagonia, disse ao Cointelegraph que ele está inclinado a pensar que a saída dos mineros contribuiu para o declínio da taxa de hash:

“Todos os mineradores investem em negócios de longo prazo e contribuem para a blockchain. Os mineradores de médio a pequeno porte, muitos estão fechando, todos cometeram os mesmos erros, entraram na indústria com custos muito altos das máquinas e com um Bitcoin que nunca parou de cair em valor e quando tiveram um preço atraente para vender e recuperar, não tínham estoque porque sempre foram forçados a vender mal para sobreviver.”

Pierce Crosby, gerente geral do TradingView, explicou ao Cointelegraph que grande parte da volatilidade da taxa de hash é baseada em limites de preços programáticos estabelecidos para diferentes plataformas de mineração. Por causa da matemática das recompensas da taxa de hash, quanto menor o preço, menor a margem por cálculo, portanto essas plataformas provavelmente diminuirão até que o preço se recupere e as margens se expandam, disse Crosby.

A teoria foi posta em prática em 26 de março e levou a uma redefinição da dificuldade de computação da rede. À medida que a dificuldade diminuía, o ciclo de capitulação dos mineros fechava o círculo completo. Isso pode continuar até que apenas os mais fortes permaneçam, destacando uma das falhas fundamentais da rede Bitcoin.

No entanto, muitos especialistas discordam que a recente queda na taxa de hash do BTC tenha algo a ver com a capitulação dos mineradores. Donnell Wright, minerador e consultor de blockchain, disse ao Cointelegraph:

“Os mineros podem estar capitulando, mas não acho que seja isso o que está acontecendo agora, especialmente tão perto do halving do BTC. Normalmente, depois do halving, acabamos vendo um grande aumento no preço; portanto, com base em dados anteriores, seria prejudicial capitular.”

Outros prováveis fatores

Entretanto, pode haver várias explicações razoáveis sobre o motivo pelo qual a taxa de hash da rede BTC sofreu um declínio, conforme acrescentou Wright:

“Pode ser que os mineradores estejam competindo com a tecnologia mais recente, então eles podem ter que desligar os atuais para atualizar. Também é provável que as operações de mineração sejam forçadas a fechar temporariamente devido ao COVID-19, dependendo da região. Não acredito que o declínio esteja relacionado ao halving, o que pode realmente incentivar grandes players à minerar – depois do evento.”

Vector Moranov, minerador e membro da Bitcoin Foundation, disse ao Cointelegraph que, além de uma relação direta entre a queda da taxa de hash do BTC em março de 2020 e o preço do Bitcoin, os mineradores também têm medo de uma crise econômica que possa ocorrer devido à pandemia de coronavírus .

Uma redução na taxa de hash também pode ser causada por um déficit de mineradores e pelo fechamento de fazendas e produção na China, bem como pelo aumento no preço do equipamento. Mais de 30% da mineração ocorre na China, segundo Sidharth Sogani, fundador e CEO da Crebaco, uma empresa de pesquisa e inteligência focada em projetos de blockchain e criptomoeda, ele disse ainda ao Cointelegraph:

“A China sob em quarentena é uma das razões pelas quais a taxa de hash diminuiu, porque as instalações de mineração não estão operando com suas melhores capacidades”.

Sogani acrescentou que as novas máquinas de mineração ASIC atualizadas especialmente para o próximo halving do BTC também foram afetadas. A pandemia lançou uma dúvida no cronograma de introdução de novas plataformas de mineração, resultando em uma liquidação do BTC. Considerando a imensa atualização de hardware que ocorreu em 2019, a vida útil desse equipamento pode estar chegando ao fim, pois o aumento de quase duas vezes da taxa de hash ao longo do primeiro trimestre de 2020 comprimiu as margens operacionais.

Além disso, o Bitcoin corrigiu seu preço introduzindo um efeito multiplicador em margens baixas, levando à capitulação de mineradores ineficientes. A produção mensal por mineradores de mais de 54.000 novos Bitcoin também está prejudicando o preço da moeda, resultando em excesso na oferta.

A pressão para vender Bitcoin para manter equipamentos de mineração é imensa, pois os mineradores ainda podem tentar obter margens de lucro significativas. Isso leva a uma situação de “sobrevivência do mais apto”, pois os mineradores experientes, com margens altas, acumulam uma porcentagem maior do Bitcoin recém-cunhado e não os vendem para manter suas operações.

Apesar do aspecto técnico, o impacto do COVID-19 e a queda acentuada do S&P 500 também são fortes fatores contribuintes que podem diminuir o interesse dos mineradores pela moeda. Vincent Poon, vice-presidente da Bithumb Global, observou a situação econômica como o fator que afetou a taxa de hash do BTC acima de tudo. Ele disse ao Cointelegraph:

“Acredito que os mineradores não desistiram do jogo, a queda da taxa de hash se deve às turbulências globais semelhantes a outros ativos e ao dinheiro proveniente dos esquemas Ponzi, que ainda existem por aí. Historicamente falando, reduziu pela metade o preço no curto prazo. Os mineros conhecem bem o halving e representam um risco calculado quando investem em máquinas de mineração. Algumas mineradoras podem desistir, mas isso também significa que elas têm mais participação no mercado, o que é uma coisa boa para as mineradoras em geral.”

Possível cenário

Tudo depende do preço e das condições do mercado global do BTC, pois uma queda significativa na dificuldade de mineração e o possível aumento do BTC acima da marca de US$ 6.000 ainda podem tornar lucrativos equipamentos de mineração mais antigos, como o Antminer S9 da Bitmain. O mercado de mineração de criptomoedas e os mineradores estão muito ativos, apenas operando de maneira diferente, de acordo com Stephen Gregory, diretor de compliance da exchange CEX.io EUA. Ele afirmou em uma conversa por e-mail com o Cointelegraph:

“Na semana passada, além da data de liquidação mensal da CME, vimos mais de 50% das opções de juros em aberto expirando apenas no Bitcoin. Para mim, isso mostra que talvez as mineradoras possam colocar algumas máquinas offline para reduzir custos, mas ainda estejam muito ativas no mercado usando a sempre crescente variedade de instrumentos financeiros para proteger seus riscos de maneira eficaz. Embora a teoria do “ciclo de capitulação do mineiro”, […] ainda tenha mérito; agora que as mineradoras podem fazer hedge com opções e futuros, significa que há mais de uma rota para gerar rendimento.”

Enquanto isso, a situação levou muitos mineradores a começar a alternar entre as redes Bitcoin e Bitcoin Cash (BCH) para permanecerem lucrativas. No entanto, isso pode começar a mudar em 8 de abril, quando o halving do BCH for executado. O mesmo acontecerá com o BTC por volta de 15 de maio.

O prognóstico a longo prazo é que a taxa de hash aumentará à medida que a mineração for institucionalizada, segundo Wright. Ele disse ao Cointelegraph:

“As empresas também continuarão a encontrar maneiras inovadoras de minerar BTC sem usar tanta energia e poder. Isso, por si só, pode introduzir novos atores institucionais no espaço, o que permitirá que o hash continue a quebrar os recordes de todos os tempos.”

A derivação da situação atual muda diretamente para o futuro próximo e coloca questões sobre o estado do Bitcoin após o halving, se os mineradores forem a principal fonte de pressão de venda. Matt D’Souza deu uma resposta lacônica à pergunta retórica em seu post no Twitter: “50% menos pressão potencial”. Em outras palavras, as mineradoras com margens baixas são imensamente afetadas por quaisquer movimentos negativos de preços e deixarão a rede.

Alguns mineros compartilham esse ponto de vista. Moranov, da Fundação Bitcoin, disse ao Cointelegraph que, embora alguns mineradores desliguem seus dispositivos no curto prazo, haverá uma grande onda de mineradores que abandonarão o mercado a longo prazo se o declínio continuar, especialmente por causa do halving do Bitcoin.

No entanto, muitos especialistas também sugeriram cenários positivos. A capitulação de mineradores tem sido historicamente um sinal de compra, e um mercado altista sempre segue períodos de recessão, pois o mundo pós-Bitcoin pode ver uma saída de mineradores e uma redistribuição de recompensa sob menor pressão de venda – o que poderia resultar potencialmente em um aumento no preço do Bitcoin.

Sogani disse ao Cointelegraph que, embora o preço do Bitcoin possa cair imediatamente. Na sua opinião, o BTC deve quebrar seu preço mais alto em seis meses, acrescentando:

“Isso não ocorre pelo halving, mas por causa da impressão excessiva de dinheiro pelos bancos centrais em todo o mundo para combater o COVID-19 e controlar a recessão. A impressão de dinheiro ajuda no curto prazo, mas em alguns meses, veremos que essa recessão se transformará em uma depressão que durará mais de 24 meses. ”

Wright também compartilhou com o Cointelegraph seu prognóstico positivo sobre os preços após o halving do BTC, dizendo que, a longo prazo, o declínio na taxa de hash não terá impacto e que uma tendência de alta de preços acompanhará a volatilidade após o halving, acrescentando: “A taxa de hash atingiu o maior nível histórico em janeiro de 2019, e o preço não estava subindo, o que gerou confusão e o BTC subiu para US$ 14.000 logo depois.”

D’Souza fez uma previsão mais precisa, apontando para um período de um ano e afirmando que as “recessões geralmente suprimem a maioria dos ativos – especialmente ativos com risco, como Bitcoin. Não chamamos de fundo. Historicamente, durante a capitulação do minerador, os retornos de 12 meses foram favoráveis.” No entanto, existem analistas que sugerem que a taxa de hash pode cair ainda mais. Por exemplo, Crosby opinou:

“A deterioração das diferentes taxas de hash das moedas é visível para a comunidade de investidores e, comportamentalmente, cria pessimismo sobre o valor fundamental de uma moeda. Se isso for “acionado”, o preço diminuirá ainda mais e a taxa de hash diminuirá ainda mais. Espiral descendente.”

Leave a Comment

  • bitcoinBitcoin (BTC) $ 13,277.44
  • ethereumEthereum (ETH) $ 391.07
  • tetherTether (USDT) $ 0.999621
  • rippleXRP (XRP) $ 0.245907
  • bitcoin-cashBitcoin Cash (BCH) $ 268.62
  • chainlinkChainlink (LINK) $ 11.67
  • binancecoinBinance Coin (BNB) $ 30.25
  • polkadotPolkadot (DOT) $ 4.39
  • litecoinLitecoin (LTC) $ 56.29
  • bitcoin-cash-svBitcoin SV (BSV) $ 169.69