‘Operação Criptomoedas’ encerra atividades de pirâmide financeira que prometia 90% de lucro ao mês com Bitcoin

Uma investigação sobre fraudes envolvendo criptomoedas terminou com o encerramento de uma empresa apontada como pirâmide financeira. Com sede em Balneário do Camboriú, Santa Catarina, o esquema prometia lucros de 3% ao dia com investimentos em Bitcoin.

A “Operação Criptomoedas” no sul do Brasil encerrou as atividades da Go Capital Empresa após a deflagração de cinco mandados de busca e apreensão contra a plataforma que oferecia até 90% de lucro ao mês.

Os mandados foram cumpridos pela Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (GAECO) após a denúncia sobre o caso ser encaminhada ao Ministério Público de Santa Catarina (MPSC).

Lucro de 3% ao dia com Bitcoin

A empresa investigada pelo MPSC oferecia lucros duvidosos que podiam ultrapassar 90% ao mês com investimentos em Bitcoin. De acordo com a investigação da “Operação Criptomoedas”, a atividade do negócio era semelhante a uma pirâmide financeira.

A “Operação Criptomoedas” foi deflagrada nesta última quarta-feira (17) em Balneário do Camboriú – SC, onde cinco mandados de busca e apreensão foram cumpridos pela GAECO.

No Facebook, uma publicação no perfil oficial da Go Capital Empresa mostra que as atividades do esquema foram encerradas com a operação policial.

Segundo a investigação sobre a empresa, as operações da plataforma foram denunciadas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) após a oferta de investimentos duvidosos em Bitcoin através de redes sociais.

Sendo assim, a CVM encaminhou uma denúncia sobre o esquema para a 6ª Promotoria de Justiça da Comarca de Balneário do Camboriú, que organizou a investigação que culminou na deflagração da “Operação Criptomoedas”.

“Informamos que as atividades da empresa estão suspensas por força da decisão judicial nº (5004363-86.2020.8.24.0005) da 2ª Vara Criminal da Comarca de Balneário Camboriú.”

Pirâmide financeira e corrupção

A Go Capital Empresa é considerada um negócio de investimentos, de acordo com a descrição da plataforma no Facebook. Prometendo lucros com Bitcoin e outras criptomoedas, o esquema foi encerrado após uma operação policial.

As investigações sugerem que as vítimas da pirâmide financeira começaram a enfrentar problemas com saques de investimentos. Além de atuar em Balneário do Camboriú – SC, a plataforma tinha clientes em todo o Brasil.

A associação criptomoedas com a prática de crimes financeiros fez a Polícia Federal desencadear também recentemente a Operação EXAM em Cabo Frio, Rio de Janeiro.

Conforme noticiou o Cointelegraph, o Ministério Público Federal (MPF) e a Controladoria Geral da União (CGU) investiga o superfaturamento de licitações relacionadas a saúde na cidade fluminense.

A Operação EXAM teve como alvo a Secretaria Municipal de Saúde de Cabo Frio – RJ e o Hospital de Campanha Unilagos.

Nesse caso, estima-se que mais de R$ 7 milhões correspondem às licitações superfaturadas, sendo que R$ 370.000 em Bitcoin (BTC) foram apreendidos pela Polícia Federal.

Leia Mais:

Artigo

Leave a Comment

  • bitcoinBitcoin (BTC) $ 49,110.00
  • ethereumEthereum (ETH) $ 1,669.56
  • tetherTether (USDT) $ 1.00
  • cardanoCardano (ADA) $ 1.14
  • binance-coinBinance Coin (BNB) $ 226.54
  • polkadotPolkadot (DOT) $ 33.63
  • xrpXRP (XRP) $ 0.464916
  • uniswapUniswap (UNI) $ 28.58
  • litecoinLitecoin (LTC) $ 183.27
  • chainlinkChainlink (LINK) $ 28.37