Na quarta-feira, 01 de abril, o presidente Jair Bolsonaro sancionou a Medida Provisória (MP) que estabelece o pagamento do chamado “coronavoucher”, apelido do auxílio temporário para trabalhadores informais e pessoas de baixa renda. O benefício será concedido por três meses, podendo ser prorrogado enquanto durar o estado de calamidade proclamado por causa da pandemia de Covid-19.

Após ter sido publicado no Diário Oficial na quinta-feira, 02 de abril, a medida passa a entrar em vigor. Agora, o governo divulgará os procedimentos que serão tomados para efetuar o pagamento. Mas quem terá direito a esse benefício? E, principalmente, o que você pode fazer com esse dinheiro caso tenha direito a ele?

Quem terá direito ao benefício?

De acordo com a nova lei, os beneficiários serão cidadãos maiores de idade sem emprego formal, mas que estão na condição de trabalhadores informais, microempreendedores individuais (MEI) ou contribuintes individuais da Previdência Social, membros do programa Bolsa Família e trabalhadores informais que tenham acesso ao Cadastro Único dos programas sociais do governo.

Também é necessário ter renda familiar mensal inferior a meio salário mínimo per capita ou três salários mínimos no total e não ser beneficiário de outros programas sociais ou do seguro-desemprego. Para esses grupos, o auxílio será de R$600,00, limitado a dois membros da mesma família.

Mulheres que sejam chefes de família também se enquadram entre os beneficiários. Nesse caso, o benefício será dado em dobro: R$1.200,00. No entanto, o governo ainda precisa divulgar a forma como esses pagamentos serão feitos, assim como o prazo de início dos pagamentos. O desejo do governo é fazer todo o processo de forma digital, evitando a ida de pessoas a agências bancárias.

O que fazer com esse dinheiro?

Se você está enquadrado entre os critérios de elegibilidade para receber o auxílio, então certamente essa ajuda veio em uma boa hora. Com o aumento dos casos da Covid-19 – que chegaram a 1 milhão no mundo e a mais de 8 mil no Brasil – a tendência é que as medidas de quarentena e isolamento social continuem por mais tempo.

Sendo assim, quais são as opções que você tem para utilizar esse dinheiro? Sim, dependendo da sua situação financeira, existe mais do que pagar as contas. Por isso, veja o que você pode aproveitar com o auxílio dependendo do quão afetado foi o seu padrão de vida e do quanto você pode gastar.

Pagar as contas

Se, assim como a maioria dos brasileiros, você teve seu emprego e renda afetados pelas políticas de isolamento e, infelizmente, não contava com uma reserva de emergência, então suas contas de rotina podem ter ficado comprometidas. Sendo assim, colocar as contas em dia é a melhor opção, assim você evitará ter problemas com acúmulo de contas em atraso.

Caso o valor seja insuficiente para quitar todas as suas contas, priorize o pagamento das contas essenciais (energia, água, alimentação, etc) e, logo em seguida, pague as contas que possuem os juros mais altos (como cartão de crédito). Lembre-se que 64 milhões de brasileiros possuem dívidas em seu nome; evite ao máximo entrar nessa lista.

Criar uma reserva de emergência

Você não tem dívidas e está com as contas de rotina controladas? Então meus parabéns, pois você está fora do grupo que mencionamos lá em cima. Considere-se alguém de boa fortuna. Mas você possui uma reserva de emergência para evitar problemas quando a situação ficar ruim?

Se a sua resposta foi “não”, então o auxílio extra pode ser um ótimo ponto de partida para criar seu fundo de emergência. O valor de R$1.800,00 (R$600,00 por três meses) é muito bom para criar o início do seu colchão financeiro e blindar suas contas no futuro – seja contra o agravamento da pandemia, seja contra outros problemas que possam surgir.

Investir para o longo prazo

Mas se você já está no nível de ter as contas em dia e ainda uma reserva de emergência, então sua blindagem é tão forte quanto a de um T-34, meu amigo! O corona não será páreo para lhe derrubar. Então, você já pode aproveitar esse dinheiro para investir no longo prazo.

Um dos investimentos que você pode fazer para isso são ações ou fundos imobiliários, instrumentos que lhe geram renda passiva ao longo do tempo e, com isso, permitem que você tenha uma boa renda no futuro sem precisar trabalhar. E a crise financeira gerada pela pandemia deixou esses ativos muito mais baratos durante o mês de março. Assim, pode ser uma hora boa de acumular patrimônio.

Compre Bitcoin

Ações e fundos não são a sua praia? Não tem problema, pois existe outro ativo que também entrou em promoção com a crise recente. Me refiro, obviamente, ao Bitcoin.

Se você possui um perfil de risco mais arrojado e focado no longo prazo, o Bitcoin pode ser uma opção muito boa para fugir do sistema tradicional. E como seu mercado ainda é muito pequeno em relação a ouro, ações e títulos, o seu potencial de crescimento e valorização acaba sendo enorme.

Não importa qual seja a situação atual das suas finanças, o auxílio do governo pode lhe servir muito bem. Basta saber a melhor forma de utilizá-lo.

Disclaimer: as informações contidas neste texto são de caráter meramente informativo e não constituem recomendação de investimento em nenhum dos produtos mencionados. Qualquer decisão de investimento é de responsabilidade exclusiva do investidor.

Leia também: Especialista pede que Paulo Guedes instaure imediatamente sandbox sobre criptomoedas

Artigo

Deixe uma resposta