A Nasdaq, a segunda maior bolsa de valores do mundo, introduzirá novas restrições às ofertas públicas iniciais, ou IPOs, para impedir que empresas chinesas menores sejam listadas, sugere um relatório recente da Reuters citando fontes anônimas.

Os requerentes de IPOs chineses tendem a não ter transparência contábil e têm “laços estreitos com especialistas poderosos”, afirmam fontes da Reuters, razão pela qual as novas regras estabelecerão um valor mínimo pelo tamanho das IPOs pela primeira vez na Nasdaq.

Especificamente, a bolsa pode exigir que empresas “de alguns países, incluindo a China”, levantem pelo menos US$ 25 milhões em sua oferta ou, alternativamente, pelo menos um quarto de sua capitalização de mercado. As empresas chinesas não serão oficialmente citadas como a razão dos requisitos ajustados, esclareceram as fontes.

Embora um total de 155 empresas chinesas tenham se tornado públicas pela Nasdaq desde 2000, 40 dessas IPOs arrecadadas ficam aquém de US$ 25 milhões, mostram os dados citados pela Reutuers.

Todas as empresas chinesas relacionadas à criptomoeda listadas na Nasdaq e em outras bolsas de valores dos EUA, como Canaan Creative e OneConnect, superaram esse número. Enquanto os rumores e candidatos existentes – Bitmain e Ebang – esperam arrecadar mais de US$ 100 milhões, as mudanças projetadas ainda devem introduzir mais escrutínio para todos os candidatos chineses.

Especificamente, as empresas de auditoria de empresas chinesas ainda não listadas terão que garantir que suas franquias internacionais cumpram “padrões globais”, enquanto a Nasdaq também examinará a auditoria de pequenas empresas americanas que auditam as contas dos candidatos chineses à abertura de capital, de acordo com as fontes citadas pela Reuters.

IPOs chinesas de criptomoedas

Em novembro de 2019, a gigante de mineração de Bitcoin (BTC), Canaan Creative, se tornou a primeira empresa de criptomoeda chinesa a se tornar pública nos Estados Unidos depois de não garantir um IPO em Hong Kong. Depois de perder seu maior banco, o Credit Suisse, alguns dias antes da listagem, a Canaan levantou US$ 90 milhões, embora originalmente pretendesse ganhar US$ 400 milhões.

A empresa chinesa de blockchain OneConnect, apoiada pelo Softbank, concluiu seu IPO em dezembro de 2019, levantando US$ 347,2 milhões em uma oferta na Bolsa de Valores de Nova York.

Na mesma época, a Bitmain, produtora de hardware de criptomoeda de Pequim, registrou discretamente um pedido de abertura de capital apoiado pelo Deutsche Bank na Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos. Embora não esteja claro quanto a Bitmain está buscando, a gigante da mineração esperava garantir até US$ 3 bilhões em meados de 2018.

Finalmente, no mês passado, a grande fabricante de chips de mineração Ebang entrou com uma oferta pública inicial de ações de US$ 100 milhões nos EUA, revelando que planeja listar no Nasdaq Global Market ou na NYSE sob o código EBON.  

Leia mais:

O Cointelegraph entrou em contato com a Canaan, Bitmain, OneConnect e Ebang, mas não recebeu resposta até o momento.

Artigo

Deixe uma resposta