Mulher investe R$ 700 mil em criptomoedas e perde direito a pensão em divórcio

Em um processo de divórcio julgado pelo Tribunal de São Paulo (TJSP), as criptomoedas apareceram.

Uma mulher demandou o pagamento de pensão e de seu plano de saúde ao ex-marido. Contudo, foi apurado pelo TJSP que a mulher auferiu quase R$ 20 mil por mês em 2018, além de mais de R$ 120 mil guardados em outras aplicações.

Ademais, também foi informado que a mulher investiu R$ 739 mil em criptomoedas. O tiro acabou saindo pela culatra, uma vez que o juízo questionou que nenhum imóvel foi declarado ao Imposto de Renda.

Isto posto, os pedidos foram negados em decisão judicial.

Quase R$ 1 milhão

De acordo com os autos, a mulher reclamou do atraso dos pagamentos por parte do ex-marido acerca de sua pensão e de seu plano de saúde. O ex-marido, então, demandou judicialmente para que não fosse mais necessário arcar com os valores.

O ex-marido justificou que sua ex-esposa já auferia mais do que o suficiente para viver.

De fato, foi relatado que a mulher auferiu R$ 104.769,68 líquidos em 2018. O dinheiro foi recebido por meio da previdência privada, da previdência do Santander e de pensão militar.

Além destes valores, R$ 106.683,57 em rendimentos também foram auferidos. Por fim, a mulher ainda detinha R$ 50 mil em espécie, além de ter investido R$ 739 mil em criptomoedas – apenas em 2018.

Apesar de reivindicar o pagamento das pensões e das prestações do plano de saúde, o juízo teve entendimento diverso. Inclusive, em um dos trechos da decisão, foi salientado um possível caso de sonegação:

“Curioso é a ré não ter declarado em seu imposto de renda UM IMÓVEL SEQUER, tampouco qualquer meação ou parte ideal de imóvel, o que demonstra aparentemente grave sonegação, a ser verificado após a contestação a ser por ela juntada.”

Decisão favorável ao autor

Uma liminar dispensou, por enquanto, que o autor pague os valores demandados pela ex-esposa. Em parte da decisão, o juiz justificou que a mulher vive com “alto padrão de renda”:

“De qualquer modo, a comprovação, de plano, de renda e do vultoso patrimônio ré, com liquidez suficiente para grandes aplicações de risco, inclusive, demonstram independência financeira e alto padrão de renda própria a dispensar, por óbvio (presente, então, a tutela de evidência invocada na inicial) a pensão alimentícia do ex-marido, ora autor. Posto isso, DEFIRO liminarmente A TUTELA DE EVIDÊNCIA para exonerar o autor da obrigação alimentar para com a ré.”

Ainda cabe recurso sobre a decisão acima.

Leia também: Bitcoins roubados da Bitfinex em 2016 começam a ser movidos

Leia também: Tribunal de São Paulo obriga corretor de Bitcoin a devolver R$ 100 mil de investidores

Leia também: Possível carteira do criador do Bitcoin acaba de mover 50 BTC

Artigo

Leave a Comment

  • bitcoinBitcoin (BTC) $ 18,980.77
  • ethereumEthereum (ETH) $ 590.75
  • rippleXRP (XRP) $ 0.599692
  • tetherTether (USDT) $ 1.00
  • litecoinLitecoin (LTC) $ 84.89
  • bitcoin-cashBitcoin Cash (BCH) $ 288.61
  • chainlinkChainlink (LINK) $ 13.41
  • polkadotPolkadot (DOT) $ 5.20
  • cardanoCardano (ADA) $ 0.156044
  • binancecoinBinance Coin (BNB) $ 29.65