Estudo da Universidade de Cambridge mostra que mineração de Bitcoin avança para se tornar mais sustentável

A corrida das mineradoras de criptomoedas por mais sutentabilidade, especialmente depois de críticas do bilionário sul-africano Elon Musk e da perseguição da China contra a atividade, já começa a mostrar resultados.

Um novo estudo da Universidade de Cambridge mostra que a mudança radical na geografia da mineração de criptomoedas nos últimos seis meses já apontam para uma produção de criptomoedas mais verde.

A decisão da China de proibir a mineração no país asiático acabou por derrubar metade dos mineradores de Bitcoin (BTC) do mundo do dia para a noite. Com isso, menos máquinas ficaram online e menos energia foi consumida no período, sem derrubar toda a rede da maior criptomoeda.

A decisão de Pequim também aposentou grande parte dos equipamentos de mineração antigos, menos eficientes e que exigiam mais poder energético.

A migração das mineradoras também revela um futuro próximo mais eficiente e sustentável para o Bitcoin e outras criptomoedas. As empresas de mineração já buscam países com fontes de energia mais baratas e geralmente renováveis. Mike Colyer, CEO da empresa blockchain Foundry, disse à CNBC:

“A rede Bitcoin é implacável em sua busca pelo menor custo. Mineiros de todo o mundo estão procurando energia ociosa que seja renovável. Esse sempre será o seu menor custo. No fim, esta será uma grande vitória para a pegada de carbono do Bitcoin.”

Antes das proibições, a China respondia por três quartos de toda a mineração de Bitcoin do planeta, segundo um estudo da Cambridge Centre for Alternative Finance. Depois da decisão de proibir a mineração, mais de 50% do poder de hash da rede Bitcoin foi perdida.

Porém, hoje, a mineração de Bitcoin consome cerca de 70terawatts de energia por ano, ou 0,33% de toda a eletricidade global. O valor já é metade do que era registrado em maio e o equivalente à energia consumida em países como Bangladesh e Chile.

Colyer ainda diz que a rede Bitcoin caminha para equipamentos mais eficientes, capazes de dobrar o poder de hash com o mesmo consumo de eletricidade:

“Isso continua a melhorar significativamente a relação segurança-energia da rede Bitcoin”

Os novos destinos dos mineradores de criptomoedas já começam a ser conhecidos, parte deles para os Estados Unidos, que em alguns estados é capaz de oferecer fontes de energia renováveis e equipamentos de ponta. Steve Barbour, fundador da Upstream Data, comenta também:

“O legal do Bitcoin e algo que é pouco destacado por seus opositores é que ele é como um mercado portátil; você pode levá-lo consigo para a melhor fonte de energia ”

Os Estados Unidos já se transformaram nos últimos meses o segundo principal país do mercado de mineração cripto, com 17% da mineração global de Bitcoin. Até o fim de 2022, o estudo prevê que 500 mil plataformas de mineração que operavam na China devem ser implementadas nos EUA, com os mineradores norte-americanos dominando 40% de todo o poder de hash do Bitcoin.

Nesta semana, como noticiou o Cointelegraph Brasil, a dificuldade de mineração do Bitcoin caiu novamente, pela quarta vez consecutiva. O maior pool de mineração do mundo, a Bit Mining, também já está planejando sua migração para fora da China.

LEIA MAIS

Desde 2019, não aparece uma janela de compra tão clara. Negocie mais de 400 pares de criptomoedas com 0% de taxa até 8 de Julho na OKEx.

Compre o mergulho agora na OKEx!

Artigo

bitcoin
Bitcoin (BTC) 28.667,90 4,24%
ethereum
Ethereum (ETH) 1.822,93 4,05%
tether
Tether (USDT) 0,847085 0,03%
binance-coin
Binance Coin (BNB) 256,34 2,84%
cardano
Cardano (ADA) 1,02 2,91%
xrp
XRP (XRP) 0,513851 1,75%
usd-coin
USD Coin (USDC) 0,847085 0,01%
dogecoin
Dogecoin (DOGE) 0,167337 2,87%
polkadot
Polkadot (DOT) 11,52 4,70%
binance-usd
Binance USD (BUSD) 0,846612 0,32%