Escândalo de vazamento de dados do Zoom mostra que blockchain pode ser o futuro das comunicações

À medida que as pessoas ao redor do mundo começaram a seguir os pedidos de quarentena, a popular plataforma de videoconferência Zoom rapidamente conquistou novos usuários, observando em um post recente no blog que havia atingido mais de 200 milhões de usuários diários no mês passado, contra 10 milhões em dezembro. Desde conferências virtuais até festas de aniversário online, milhares de pessoas se reuniram no Zoom na tentativa de permanecer social no momento em que as reuniões sociais são proibidas.

No entanto, embora o Zoom possa parecer a alternativa perfeita para reuniões presenciais, uma grande falha de segurança está oculta no sistema. Após o súbito aumento dos usuários diários, foi descoberto na semana passada que milhares de vídeos pessoais do Zoom foram deixados visíveis na web.

Qual é o problema?

Ankit Bhatia, CEO e cofundador da plataforma social Sapien Network, disse ao Cointelegraph que entrar no Zoom nunca foi um processo seguro:

“Se você conhece o servidor em que a chamada do Zoom está ativada, você só precisa executar um script para gerar a sequência correta de números em um determinado momento e poderá participar de uma conferência, seja em uma reunião técnica diário ou em um encontro do AA. Isso é especialmente fácil quando os usuários do Zoom não protegem suas reuniões com senha.”

Além de estranhos terem acesso a vídeos “privados” do Zoom, informações de identificação pessoal, como endereços de e-mail e senhas, também foram comprometidas.

Jeff Pulver, pioneiro do protocolo de voz sobre Internet, disse ao Cointelegraph que o principal problema de todos os principais serviços de comunicação como o Zoom é o uso de mecanismos centralizados de armazenamento de dados. Devido a isso, o Zoom apresenta ameaças à segurança das informações confidenciais que reúne. Ele explicou:

“Empresas como o Zoom dizem que não podem acessar os dados do usuário, mas ainda assim exploram os dados gerados por esses aplicativos, como a frequência com que os usuários conversam com alguém e cujos números de telefone eles armazenaram no catálogo de endereços de seus smartphones. O roteamento de todos os dados comerciais e pessoais por meio de um servidor centralizado com um ponto de contato principal apresenta um número esmagador de ameaças à segurança da informação.”

Pulver, autor da “Pulver Order” adotada pela Comissão Federal de Comunicações dos EUA para garantir que os usuários não precisem pagar por aplicativos de comunicação como o FaceTime, entendeu desde o início os problemas de dados apresentados pelo Zoom. Ele observou que as milhares de violações de dados testemunhadas entre 2018 e 2019 deveriam ter sido um alerta global para pessoas que desejam entender melhor como seus dados estavam sendo usados por plataformas de terceiros.

Blockchain pode impulsionar uma nova era de comunicação

Como tal, Pulver acredita que a melhor maneira de disponibilizar universalmente os serviços de comunicação de alta segurança é através do uso da tecnologia blockchain. “Ao evitar o controle centralizado, removeremos o elo mais fraco da equação – os terceiros”, explicou. Pulver passou o ano passado desenvolvendo uma rede de comunicações baseada em blockchain chamada Debrief.

Diferentemente dos aplicativos de vídeo convencionais, o Debrief é uma rede blockchain de código aberto na qual os aplicativos de comunicação podem ser construídos. De acordo com Pulver, utilizar a blockchain cria um nível mais alto de segurança quando se trata de informações pessoais dos usuários:

“Diferentemente do Facebook Messenger ou do Hangouts do Google, o Debrief criptografa as mensagens dos usuários por padrão e também não retém praticamente nenhuma informação dos usuários, incluindo mensagens e catálogos de endereços, em seus servidores, pois eles são descentralizados”.

Karen Sun, desenvolvedor da Debrief e ex-gerente de configuração de soluções da Ericsson, disse ao Cointelergraph que: “Mesmo que nossos servidores sejam invadidos, os autores não poderão descriptografar as mensagens armazenadas”.

Segundo Pulver, o Debrief foi construído principalmente para transações rápidas e privadas. Diferentemente das cadeias públicas tradicionais como a Ethereum, a infraestrutura Debrief foi construída para garantir conexões rápidas e confiáveis, especificamente para comunicação. Pulver observou ainda que o Debrief contém um componente Middleware de código-fonte aberto, permitindo que aplicativos centralizados como o Zoom utilizem a blockchain do Debrief “inserindo seu código no nosso código”.

Enquanto a Debrief Testnet foi lançada em fevereiro de 2020, Pulver mencionou que o lançamento da MainNet é esperado no quarto trimestre deste ano. O lançamento público do Middleware também é projetado para o mesmo período.

Uma conferência de vídeo DApp

Enquanto isso, Pulver explicou que um aplicativo descentralizado foi construído na rede Debrief. O DApp fornece videoconferência HD, chamadas de áudio e vídeo ponto a ponto, mensagens, armazenamento de arquivos descentralizado e muito mais. A versão beta do Debrief acaba de ser lançada e já registrou mais de 1,2 milhão de transações de mais de 3.000 usuários.

Pulver mencionou que o desafio do futuro será gerar conscientização pública para as redes de comunicação baseadas em blockchain, acrescentando: “Precisamos encontrar desenvolvedores que desejam usar nossa blockchain para ver o que eles podem fazer com as APIs”.

Além disso, os desafios regulatórios e de padrão de dados também podem dificultar a adoção de uma rede de comunicação baseada em blockchain. Um artigo recente da Telecoms Tech destaca esses desafios, afirmando: “O setor de telecomunicações atual adere a um conjunto de padrões de dados, estruturas e infraestrutura de transmissão. Como tal, trazer aplicativos de blockchain para essa estrutura existente apresenta desafios significativos.” Pulver, no entanto, permanece otimista, dizendo:

“Temos a capacidade de trazer isso para o setor de comunicações e minha esperança é conseguir que milhares de pessoas se conectem e inovem de uma maneira positiva e segura”.

Leia mais:

Leave a Comment

  • bitcoinBitcoin (BTC) $ 17,723.46
  • ethereumEthereum (ETH) $ 542.55
  • rippleXRP (XRP) $ 0.620363
  • tetherTether (USDT) $ 0.999722
  • chainlinkChainlink (LINK) $ 13.15
  • bitcoin-cashBitcoin Cash (BCH) $ 276.07
  • cardanoCardano (ADA) $ 0.163969
  • litecoinLitecoin (LTC) $ 72.72
  • polkadotPolkadot (DOT) $ 4.85
  • stellarStellar (XLM) $ 0.200077