Criptomoeda do Facebook ainda é uma grande ameaça ao Bitcoin, diz economista

O economista e acadêmico John Vaz acredita que o Bitcoin (BTC) ainda enfrenta forte concorrência do problemático projeto Libra do Facebook.

Vaz disse ao Cointelegraph que o Bitcoin tem desafios de escala em termos de pagamentos e foi usado desproporcionalmente como veículo de especulação. Por outro lado, ele disse que o Libra foi desenvolvido para ser dimensionado como uma rede de pagamentos e pode emergir rapidamente como um grande concorrente, apesar de seus problemas com os reguladores.

“O Libra não está morto”, ele disse, “eles estão apenas navegando no pesadelo regulatório”.

No entanto, Vaz descartou as moedas digitais do banco central (CBDCs), descrevendo-as como uma “postura defensiva” fraca em resposta à ameaça de criptoativos.

Vaz disse que “a maior competição pelo Bitcoin vem de outras criptomoedas”.

Libra do Facebook é muito interessante

Ao notar que o Facebook sofre de questões de desconfiança pública, Vaz disse que o modelo proposto para o Libra era “muito interessante” – enfatizando tanto a cesta de ativos subjacentes à estabilidade do instrumento quanto as redes existentes que as grandes empresas de tecnologia são capazes para tocar.

O economista argumentou que empresas como o Facebook poderiam capitalizar sua base de usuários existente e disse que as transações financeiras já estavam ocorrendo.

“Eles estão alvejando um mercado pronto para eles, no sentido de que as pessoas já estão fazendo transações no Facebook, Messenger, WhatsApp e Instagram. Então, eles têm o tráfego de mensagens e essas pessoas já estão fazendo transações econômicas usando moeda fiduciária.”

Como tal, Vaz disse que o Libra seria lançado com “uma ‘possibilidade de domínio’ muito grande – talvez maior do que qualquer outra criptomoeda desde o primeiro dia.”

Ele previu que o objetivo inicial do Libra será o de países em desenvolvimento, e não de mercados desenvolvidos, e afirmou: “Eles se entrincheirarão lá – onde as pessoas já usam muito os aplicativos e precisam de pagamentos”.

CBDCs como uma reação defensiva

Vaz não acredita que as moedas digitais do banco central (CBDCs) sejam concorrentes para criptomoedas e são apenas “uma postura defensiva”:

“Eles serão um tipo de ação de retaguarda sendo travada pelos bancos centrais porque eles não gostam de criptomoeda”.

Em vez dos bancos centrais representarem uma ameaça ao Bitcoin, John acredita que o Bitcoin e outras criptomoedas ameaçam minar o controle dos bancos sobre o suprimento de dinheiro. Ele disse: “Isso tira a capacidade deles de alavancar a economia porque, sob coisas como Bitcoin, você não pode criar dinheiro a título de crédito”.

“Os bancos podem emprestar esse dinheiro até oito ou nove vezes em um sistema de reservas fracionárias. Muitos bancos criam uma enorme oferta monetária no sistema de reservas fracionárias. No Bitcoin, você não pode emprestar o que não possui.”

Vaz afirma que as CBDCs não oferecem nenhum benefício além da liquidação ponto a ponto – “que você obtém por padrão com criptomoeda”. “As moedas digitais do banco central provavelmente tratam mais do rastreamento de dinheiro do que do benefício”, acrescentou.

Leia mais:

Artigo

Leave a Comment

  • bitcoinBitcoin (BTC) $ 60,276.00
  • ethereumEthereum (ETH) $ 2,150.77
  • binance-coinBinance Coin (BNB) $ 560.41
  • xrpXRP (XRP) $ 1.33
  • tetherTether (USDT) $ 1.00
  • cardanoCardano (ADA) $ 1.32
  • polkadotPolkadot (DOT) $ 41.27
  • litecoinLitecoin (LTC) $ 253.96
  • uniswapUniswap (UNI) $ 31.37
  • chainlinkChainlink (LINK) $ 33.46