Conheça cinco inovações que destacaram o Ethereum em 5 anos de história

O dia 30 de julho marcou o quinto aniversário do lançamento do Ethereum.

A rede foi criada como uma proposta de aprimoramento diante de “sérios problemas de escalabilidade” que surgiram ao se construir a rede do Bitcoin.

O criador do ETH, Vitalik Buterin, expressou essas ideias em janeiro de 2014, no âmbito da “North American Bitcoin Conference”, realizada em Miami (EUA). Na ocasião, Buterin apresentou o projeto e sua proposta de desenvolvimento e escalonamento.

No entanto, mesmo após cinco anos de seu lançamento, o Ethereum tem problemas de escalabilidade semelhantes ao do Bitcoin, além de outros.

Ethereum

Em seu discurso de 2014, Buterin explicou que o Ethereum seria uma plataforma que trabalharia no conceito de contratos inteligentes.

Assim, com essa abordagem, o fundador do ETH ofereceu uma lista de descrições que antecipavam a série de inovações que ganharam brilho no ecossistema de criptomoedas por meio do Ethereum.

Entre as ferramentas que se tornaram populares na rede – muitas das quais já existem no Bitcoin – estão contratos inteligentes e ofertas iniciais de moedas (ICO). Além dos aplicativos descentralizados, tokens não dispensáveis ​​e finanças descentralizadas (DeFi).

Contratos inteligentes

Para a implementação desses contratos, os criadores do Ethereum introduziram a linguagem de programação Solidity.

Uma linguagem de Turing completa que facilita a programação de um computador para executar uma variedade de operações.

Desta forma, a linguagem permite que qualquer pessoa crie contratos inteligentes na blockchain. Para isso, só precisa escrever a lógica em algumas linhas de código.

Os contratos inteligentes visam tornar a vida diária mais fácil, mais eficiente e mais barata. Isso porque automatiza processos comuns e elimina intermediários que geralmente atrasam os procedimentos.

Ofertas Iniciais de Moedas (ICO)

Assim, o primeiro levantamento de fundos para a implementação de um projeto baseado em blockchain foi o MasterCoin, agora chamado Omni, lançado sobre o Bitcoin.

Com a criação do Ethereum, esses tipos de tokens tornaram-se mais conhecidos. Além disso, um termo amplamente usado no mundo dos criptoativos ganhou popularidade: a Oferta Inicial de Moedas (ICO).

Em 22 de julho de 2014, o Ethereum lançou a pré-venda para sua criptomoeda, chamada Ether (ETH).

Então, os termos do ICO estabeleceram que o preço inicial dos tokens seria de 2000 ETH por 1 bitcoin (BTC). Mas eles não poderiam ser negociados até que o bloco gênesis fosse extraído.

Aplicativos descentralizados (dApps)

Aplicativos descentralizados (dApps) são trechos de código escritos em contratos inteligentes. Assim, os dApps se comunicam com a blockchain e são programados para controlar várias ações.

Eles processam, por exemplo, as informações externas que recebem, enquanto os códigos são executados em uma rede P2P (ponto a ponto).

O funcionamento de um dApp depende de dois elementos: uma rede como Bitcoin ou Ethereum e um ambiente de execução.

A blockchain permite que o aplicativo tenha uma infraestrutura de rede descentralizada. Por outro lado, o ambiente possibilita que os dApps sejam projetados e executados sob uma estrutura e comportamento definidos.

Tokens não fungíveis

Um token não fungível (NFT), também chamado de token colecionável, é definido como um tipo de criptoativo que pode ser identificado exclusivamente durante sua troca e circulação.

As NFTs diferem dos tokens fungíveis (FT) por serem ativos indivisíveis e únicos que podem ser mantidos em uma blockchain.

Ambos facilitam a criação de representações virtuais do mundo real.

Portanto, com o desenvolvimento do ecossistema Ethereum e o avanço da criação de criptoativos por meio de contratos inteligentes, foram propostos padrões para as NFTs.

O padrão ERC-20 foi usado como um token fungível para desenvolver o padrão ERC-721, a implementação mais conhecida de uma NFT.

Finanças Descentralizadas (DeFi)

O mercado de DeFi constitui o fenômeno do momento no ecossistema de criptomoedas.

Assim, ele surge como uma alternativa ao financiamento tradicional e aos serviços e produtos financeiros oferecidos pelos bancos.

DeFis são definidos como um novo ecossistema financeiro, descentralizado, global, transparente, resistente à censura, sem intermediários e de fácil acesso, onde cada usuário tem controle de seus ativos.

A maioria das ferramentas para lançar essas plataformas são as inovações explicadas acima.

Ativos digitais, dApps e contratos inteligentes, juntamente com protocolos e plataformas de troca descentralizada (DEX), são essenciais para o desenvolvimento do mercado de DeFi.

Leia também: Bitcoin registra em julho maior alta dos últimos 8 anos

Leia também: Ethereum completa 5 anos; Veja quanto a altcoin já valorizou

Leia também: Venda de veículo por Bitcoin vira caso de polícia na Bahia

Artigo

Leave a Comment

  • bitcoinBitcoin (BTC) $ 11,862.94
  • ethereumEthereum (ETH) $ 395.21
  • rippleXRP (XRP) $ 0.294189
  • tetherTether (USDT) $ 1.00
  • bitcoin-cashBitcoin Cash (BCH) $ 302.09
  • chainlinkChainLink (LINK) $ 13.38
  • cardanoCardano (ADA) $ 0.143306
  • bitcoin-cash-svBitcoin SV (BSV) $ 224.19
  • litecoinLitecoin (LTC) $ 58.21
  • binancecoinBinance Coin (BNB) $ 22.57