CEO do Telegram diz que a resistência digital global está ‘apenas começando’

A decisão da Rússia de suspender a proibição de dois anos do Telegram marcará o início de um movimento mais amplo para proteger aplicativos focados na privacidade, como o Telegram, diz o CEO da empresa.

Pavel Durov, fundador e CEO do Telegram, emitiu uma declaração em resposta às autoridades russas que suspenderam oficialmente a proibição do aplicativo de mensagens no país na semana passada.

O progresso do Telegram na Rússia vai ajudar outros países

Em um post do Telegram de 21 de junho, Durov disse que a empresa não descansa sobre os louros e está planejando mais esforços para apoiar o Telegram em outros países como China e Irã. De acordo com Durov, a equipe do Telegram já começou a trabalhar em ferramentas anticensura em alguns países que proibiram o aplicativo:

“Decidimos direcionar nossos recursos anticensura para outros lugares onde o Telegram ainda é proibido pelos governos – lugares como o Irã e a China. Pedimos aos administradores dos antigos servidores proxy que os usuários russos concentrem seus esforços nesses países.”

“Simplificando, a proibição não funcionou”

O regulador de telecomunicações da Rússia, Roskomnadzor, começou a bloquear o Telegram no país em abril de 2018. No entanto, o aplicativo permaneceu acessível para usuários na Rússia devido à equipe do Telegram resistir ativamente à proibição por meio da rotação de servidores proxy e do uso de outras ferramentas contra a censura.

“Para simplificar, a proibição não funcionou”, observou o CEO do Telegram, enfatizando que a base de usuários do Telegram na Rússia dobrou desde 2018.

Os esforços do Telegram para manter o aplicativo intacto na Rússia marcaram o estabelecimento de um movimento descentralizado chamado “Resistência Digital”. É graças à Resistência Digital que, após maio de 2018, o Telegram permaneceu amplamente acessível na Rússia, disse Durov, acrescentando:

“O movimento de resistência digital não termina com o cessar-fogo da semana passada na Rússia. Está apenas começando – e se tornando global.”

China baniu o Telegram em 2015

Os planos de resistência digital de Durov em países como China e Irã podem ser mais desafiadores do que os da Rússia. A China, um dos países mais censurados do mundo, proibiu o Telegram em seu território em 2015 como parte da política de “grande firewall” do país. O aplicativo Telegram ainda está acessível na China por meio de ferramentas VPN.

O Irã, que também é altamente censurado, proibiu o aplicativo em maio de 2018 em meio a protestos de rua em todo o país. Conforme relatado, estimava-se que o Telegram tivesse cerca de 40 milhões de usuários no país naquela época, o que representava aproximadamente metade da sua população.

Como o Telegram oficial é proibido no Irã, os usuários locais criaram os chamados “Telegram forks” ou aplicativos não oficiais do Telegram. Frequentemente vulneráveis a grandes ataques, esses “forks” não são recomendados para uso pela equipe oficial do Telegram.

Leia mais:

Artigo

Leave a Comment

  • bitcoinBitcoin (BTC) $ 49,757.00
  • ethereumEthereum (ETH) $ 1,564.69
  • cardanoCardano (ADA) $ 1.24
  • binance-coinBinance Coin (BNB) $ 250.12
  • polkadotPolkadot (DOT) $ 37.81
  • tetherTether (USDT) $ 1.00
  • xrpXRP (XRP) $ 0.444830
  • litecoinLitecoin (LTC) $ 193.39
  • chainlinkChainlink (LINK) $ 30.54
  • bitcoin-cashBitcoin Cash (BCH) $ 535.19