BTC.top lança plataforma de ‘mineração conjunta’

O grupo de mineração Btc.top, com sede na China, quer atualizar o conceito de mineração em nuvem, que permite aos usuários minerar remotamente criptomoedas comprando uma certa quantidade de hash de terceiros, com o que chama de “mineração conjunta”.

Anunciada em 25 de julho, a nova subsidiária de “mineração conjunta”  da empresa visa reduzir os riscos associados aos “produtos populares de mineração em nuvem”, oferecendo mais flexibilidade.

Especificamente, a B.top alega cobrar taxas de serviço e manutenção aos seus usuários somente após atingirem o ponto de equilíbrio, o que significa que seus clientes começam a compartilhar lucros quando sua receita é igual ao custo que pagaram inicialmente para comprar o equipamento.

Segundo a empresa, passa a cobrar de 17,5% a 30%, dependendo de quanto seus clientes investiram.

Além disso, a B.top alega estar oferecendo equipamentos de mineração “a preços de pedidos em massa”, permitindo que os usuários comprem ações em mineradoras individuais, dependendo de quanto terahash (TH) da taxa de hash eles desejam possuir ou comprar essas máquinas.

A última opção supostamente permite que os clientes retirem seu equipamento das fazendas de mineração da B.top localizadas em toda a China e o enviem para um destino de sua escolha, ou revendam seus equipamentos de volta à empresa pelo preço de mercado de revenda.

“Eu estimo que outras empresas de mineração em escala industrial também em breve começarão a oferecer produtos similares de mineração em conjunto”, disse Jiang Zhuoer, fundador e CEO da Btc.top, à Cointelegraph, acrescentando que espera que a oferta seja popular entre clientes de varejo e institucionais:

“Embora o B.TOP tenha como objetivo facilitar a participação de indivíduos na mineração de criptomoedas, acredito que também atrairia clientes institucionais de todo o mundo que gostariam de aproveitar nossa infraestrutura em escala industrial, parcerias estratégicas com o setor e menor consumo de eletricidade. taxas de nossos data centers em toda a China “.

Segundo Zhuoer, alguns dos usuários de mineração conjunta da B.top na China, onde lançaram este programa em março, estão dispostos a investir de 10 a 20 milhões de RMB, ou US $ 1,4 a 2,8 milhões. Agora, a plataforma foi lançada internacionalmente.

A B.top alega cobrar cerca de 3,3 centavos de dólar por quilowatt-hora, embora pareça que o preço possa mudar assim que a estação chuvosa de Sichuan terminar, já que pelo menos algumas de suas fazendas de mineração estão localizadas lá.

Os usuários são cobrados pela eletricidade consumida por seus equipamentos durante todo o programa.

China continua rei quando se trata de mineração

Embora a China atualmente seja responsável por até 65% da taxa total de hash do Bitcoin, de acordo com o Bitcoin Mining Map desenvolvido pelo centro de Cambridge para finanças alternativas, alguns países optam por reprimir a atividade.

No início deste mês, a Venezuela, que ocupa o 10º lugar no referido mapa, proibiu a mineração de criptomoedas de moradias estatais.

LEIA MAIS

Artigo

Leave a Comment

  • bitcoinBitcoin (BTC) $ 48,902.00
  • ethereumEthereum (ETH) $ 1,550.41
  • cardanoCardano (ADA) $ 1.22
  • binance-coinBinance Coin (BNB) $ 249.41
  • tetherTether (USDT) $ 1.00
  • polkadotPolkadot (DOT) $ 35.94
  • xrpXRP (XRP) $ 0.439653
  • chainlinkChainlink (LINK) $ 29.18
  • litecoinLitecoin (LTC) $ 173.60
  • stellarStellar (XLM) $ 0.419439