Em uma matéria para o portal Seu Dinheiro, o engenheiro e especialista em criptomoedas da Empiricus, André Franco afirmou que o Bitcoin está no caminho da etapa de “frenesi”.

O frenesi é antecedido pela “irrupção” que, de acordo com o entendimento de Franco, é a situação atual do Bitcoin.

A referência usada por Franco é de Carlota Perez. Ela escreveu o livro “Technological Revolutions and Financial Capital: The Dynamics of Bubbles and Golden Ages” (Revoluções tecnológicas e capital financeiro: a dinâmica das bolhas e da idade de ouro, em tradução livre).

Na publicação, Perez analisa de que forma as grandes inovações como máquinas a vapor, energia elétrica e a internet, acontecem em nossa sociedade. Segundo a autora, essas inovações passam por quatro fases: irrupção, frenesi, sinergia e maturidade. 

Vale ressaltar que, para Perez, entre as fases de frenesi e sinergia existe um ponto de inflexão. Isto é, uma espécie de “crash” que coloca em xeque o futuro da tecnologia.

Fase atual do Bitcoin

“Ainda estamos na fase de instalação, não tenho dúvidas”, afirmou Franco.

O especialista explicou que algumas pessoas da comunidade podem defender que o Bitcoin já superou o ponto de inflexão. Isso pelo que foi visto em 2017. Mas Franco discorda totalmente.

Isso porque, segundo ele, mesmo analisando o frenesi das Ofertas Iniciais, todos sabem que em 2017 a classe dos criptoativos não atingiu nem a casa do trilhão de dólares. Esta cifra foi atingida pela empresas de tecnologia listadas na Nasdaq no auge da bolha da internet.

“Além disso, a fase de frenesi descrita por Carlota está diretamente ligada a uma injeção de capital do mercado financeiro, o que não houve na bolha dos ICOs”.

Franco explicou que o dinheiro que inflou os preços em 2017 não eram uma injeção do mercado financeiro. Mas sim, dinheiro de pessoas comuns que desejavam ficar ricas fácil e rapidamente.

“Por isso, acredito que o momento atual é provavelmente o que nos levará ao frenesi nesse mercado até 2022. Sim, vamos passar por essa fase ainda, mesmo que quando ela estiver acontecendo tenhamos inúmeros argumentos para afirmar que “desta vez é diferente”.

Leia também: Bitcoin e Ethereum: saiba quais são as diferenças entre os dois

Leia também: Tribunal de São Paulo obriga corretor de Bitcoin a devolver R$ 100 mil de investidores

Leia também: Pesquisas apontam que “Bitcoins de Satoshi” foram para a Coinbase

Artigo

Deixe uma resposta