Bancos mentem e, ao invés de reduzir juros, subiram 44% em plena crise do coronavírus, aponta pesquisa

Os bancos mentiram e apesar das campanhas publicitárias anunciarem redução nos encargos de empréstimos no Brasil o que ocorreu foi o contrário, um aumento no juros, segundo pesquisa da Capital Empreendedor.

Segundo a publicação, os anúncios de estímulo à economia feito pelo bancos, para diminuir os impactos do coronavírus, com a redução de juros não foi o que ocorreu.

Assim, os maiores bancos do Brasil não promoveram cortes generalizados dos encargos.

Segundo a pesquisa, em alguns casos, a taxa de juros chegou a subir 44% em uma das linhas de financiamento mais acessadas pelas empresas nos últimos meses em um dos maiores bancos do País.

Bancos mentem

A pesquisa tomou como base o período entre 10 de março e 20 de maio, data do levantamento mais recente divulgado periodicamente pelo Banco Central.

Assim, a pesquisa considerou os juros mensais das seis principais linhas de crédito para empresas (antecipação de recebíveis de cartão de crédito; capital de giro com prazo de até 365 dias; capital de giro com prazo superior a 365 dias.

Além do cheque especial; conta garantida e desconto de duplicatas) disponíveis nos cinco maiores bancos (Banco do Brasil, Bradesco, Caixa, Itaú e Santander), responsáveis por mais de 80% do total de crédito no país.

Banco do Brasil campeão de juros alto

O BB foi o campeão no aumento dos juros no período analisado — a instituição elevou as taxas em três das seis linhas da amostra.

A pesquisa da Capital Empreendedor aponta que o BB praticou o maior percentual de aumento no juro mensal da linha antecipação de recebíveis de cartão de crédito, de 0,54% para 0,78%, o que representa avanço de 44% no período.

Essa linha de crédito representa 5% do estoque de empréstimos e financiamentos para pessoas jurídicas no País, segundo o Banco Central, e é particularmente importante para pequenos negócios.

O Banco do Brasil também aumentou os juros para capital de giro com prazo de até um ano na modalidade prefixada (variação de +4%) e para a conta garantida prefixada (alta de 7%).

“As altas, no entanto, não colocam o Banco do Brasil no topo da lista dos bancos mais ‘caros’ para as empresas. Em alguns casos, o próprio BB tem as taxas mais competitivas, como nas modalidades de capital de giro até um ano e por mais de 365 dias”, observa Juliano Graff, sócio-fundador da Capital Empreendedor e coordenador da pesquisa.

Santander reduziu juros

O Santander, por sua vez, foi a instituição que reduziu a taxa de juros no maior número de modalidades.

“Isso não quer dizer, porém, que seja o banco com as melhores taxas do mercado. Antes da pandemia, o Santander liderava a lista dos bancos mais caros em quatro das seis linhas pesquisadas. Durante a crise, o banco espanhol acompanhou a redução das taxas dos principais concorrentes, mantendo-se bastante competitivo nas taxas das linhas conta garantida e desconto de duplicatas”, compara.

Segundo Graff, a comparação de taxas e condições dos empréstimos, sobretudo num momento de crise aguda, pode ajudar as empresas a entender a dinâmica dos encargos para escolher as melhores opções.

“Ao mesmo tempo que as campanhas publicitárias vendem facilidades, os bancos podem se beneficiar da assimetria de informações para aumentar suas taxas. As empresas precisam ficar atentas”, diz ele. A plataforma da Capital Empreendedor conta com ferramentas e cruzamentos de dados das ofertas de crédito disponíveis no mercado para apoiar os usuários a comparar taxas, garantias e condições para a liberação de financiamentos.

Cheque especial

O levantamento da Capital Empreendedor também revela que o cheque especial é a modalidade de crédito mais resistente à queda dos juros, apesar de apresentar significativa diferença de magnitude em relação às taxas cobradas na maior parte das linhas.

No período pesquisado, entre 10 de março e 20 de maio, a média de redução do cheque especial nos cinco maiores bancos variou apenas 2%, de 12,93% para 12,73% ao mês.

Nas demais linhas de crédito, no dia 20 de maio, a taxa mínima ficou em 0,51% no juro cobrado pelo Bradesco para a antecipação do cartão, enquanto a máxima alcançou 2,82%, também no Bradesco, para a linha conta garantida.

“Muitas empresas, sobretudo de pequeno porte, ainda recorrem ao cheque especial por falta de conhecimento das opções disponíveis no mercado. Diferentemente de outras linhas, no cheque especial, o dinheiro é liberado sem a contrapartida de garantias, o que costuma elevar os juros à estratosfera”, avalia Graff.

De acordo com os dados mais recentes do Banco Central, a linha com maior volume de empréstimos para empresas no País é a de capital de giro para prazo superior a 365 dias, equivalente a R$ 262,6 bilhões ou 27% do estoque.

O levantamento da Capital Empreendedor constatou redução média de 15% nos juros dessa linha, no período abarcado pela pesquisa. Quatro bancos reduziram os encargos — Santander (-29%), Itaú Unibanco (-15%), Caixa (-15%) e Banco do Brasil (-14%) — enquanto o Bradesco elevou a taxa em 5%.

Queda mais expressiva, de 43% na média, foi verificada na linha de capital de giro de até 365 dias.

“O fato de ter prazo mais curto acaba reduzindo os riscos para os bancos, o que pode explicar a maior intensidade do corte”, explica o coordenador do levantamento. “Em momentos de crise grave como a atual, ter conhecimento é essencial na hora de decidir tomar o empréstimo para garantir a sobrevivência dos negócios a longo prazo”, completa.

Bitcoin Brasil Crédito

Recentemente uma empresa que supostamente oferece empréstimos com moedas digitais chamada Bitcoin Brasil Crédito está sendo investigada pela Polícia Civil do Estado de São Paulo pelo crime de estelionato. 

A investigação foi instaurada em 29 de abril, depois que uma suposta vítima da empresa, chamada Liesmar Gonçalves de Oliveira, que teria realizado sete depósitos totalizando R$ 4.975,98 para contrair um empréstimo, fez uma denúncia por não receber o dinheiro.

O empréstimo teria sido contraído entre 27 e 30 de agosto de 2019. O processo corre no Tribunal de Justiça de São Paulo.

A Bitcoin Brasil Crédito apresenta-se como um “correspondente bancário para facilitar o processo de contratação de empréstimos”, segundo as diretrizes do Banco Central, mas não fica clara sua relação com o Bitcoin ou outras criptomoedas. 

LEIA MAIS

Artigo

Leave a Comment

  • bitcoinBitcoin (BTC) $ 46,453.00
  • ethereumEthereum (ETH) $ 1,477.32
  • tetherTether (USDT) $ 1.00
  • cardanoCardano (ADA) $ 1.11
  • binance-coinBinance Coin (BNB) $ 224.60
  • polkadotPolkadot (DOT) $ 30.42
  • xrpXRP (XRP) $ 0.430426
  • litecoinLitecoin (LTC) $ 170.92
  • chainlinkChainlink (LINK) $ 24.83
  • bitcoin-cashBitcoin Cash (BCH) $ 481.86